Cadastre-se para receber atualizações do plástico bolha via e-mail:

 

 

 


FLORBELA ESPANCA

Raquel Naveira


Florbela,
Fada branca,
Dolorosa,
A dor foi teu dote,
Teu embate,
Teu prazer,
Transfiguraste o mundo
Em arte.

Florbela,
Asa branca,
Amorosa,
O amor foi tua sede,
Tua loucura,
Teu vinho forte,
Choraste sempre
O ausente.

Florbela,
Égua branca,
Potranca insaciável,
Eros foi teu amante,
Bebeste fel amargo,
Na luminosa taça
De um sol agonizante.

Florbela,
Branca castelã,
Princesa de boca rubra,
Isolada numa torre de névoa,
Espalhaste sangue
Pelos cravos
Da volúpia.

Alavanca de quimeras,
Primavera na charneca,
Força demoníaca,
A poesia de Florbela Espanca.

 

 



Esse texto foi publicado no plástico bolha nº33: download PDF

 

 

 






 

 


 

Copyright - Jornal Plástico Bolha - E-mail: redacao@jornalplasticobolha.com.br