Cadastre-se para receber atualizações do plástico bolha via e-mail:

 

 

 


Ao Mestre com Saudades

 

SAUDADE! A palavra mais sonora da língua portuguesa serviu-me de introdução à homenagem recentemente prestada a um apaixonado pela Cultura Clássica e a um verdadeiro Mestre e, por que não dizer, Mago da arte do magistério: o professor Junito de Souza Brandão.

Sua ausência, já de 11 anos, (Junito faleceu em 15 de maio de 1995) só faz reavivar em nós, seus ex-alunos, o póthos, a palavra mais próxima de “saudade” no léxico grego e que significa, na própria tradução que lhe dava o mestre, “o desejo da presença de uma ausência”.

Bacharel em Letras Clássicas pela PUC-Rio em 1948, Junito cursou Arqueologia, Epigrafia e História da Grécia na Universidade de Atenas na sua juventude e licenciou-se em Letras Clássicas na Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da UERJ em sua maturidade.

Autor de obras de inestimável valor acadêmico, Junito deixou-nos sua sábia presença em Mitologia grega, em seu Dicionário mítico-etimológico e em muitos outros livros de sua autoria, agora publicados sob o selo da Editora Vozes. Deixou-nos ainda sua biblioteca particular, acessível a todos na Biblioteca Central da PUC.

Mas todas as leituras e palavras ficam aquém da experiência e do privilégio de tê-lo conhecido pessoalmente como professor. Qualquer aula de Junito era um evento em si. Dotado de um carisma todo especial e único, sem recorrer a aparatos tecnológicos de espécie alguma, Junito levava os alunos a uma viagem cheia de descobertas por suas tão queridas Grécia e Roma. Os alunos ficavam simplesmente fascinados com o que ouviam, e em suas aulas as horas tornavam-se minutos e passavam rápidas demais.

Fazia-nos pensar simultaneamente em literatura, filosofia, etimologia, antropologia, história, arte, psicologia; enfim, despertava-nos para o importante e indispensável exercício de aprender a entrecruzar conhecimentos antigos e modernos, o que conferia às suas aulas um caráter genuinamente interdisciplinar. A interdisciplinaridade, conceito tão apregoado, mas tão difícil de ser obtido em nosso mundo acadêmico afeito a especializações, era em suas aulas uma prática efetiva.

A ele, meu carinhoso respeito e admiração eternos! Foi para mim um Mestre severo e um amigo sábio e generoso.

 

 

 

 

 

 

 

 

Esse texto foi publicado no plástico bolha nº13: download PDF

 

 






 

 


 

Copyright - Jornal Plástico Bolha - 2008 - E-mail: redacao@jornalplasticobolha.com.br